domingo, 27 de junho de 2010

Cotia/Bertioga

- Alô...Fabião?
Começou assim, segunda-feira, dia 21/06/2010
- Fala Mr. John!
- Então cara...eu ainda tô meio ruim da virose, a viagem do dia 25 não vai rolar...
Disse o João, meio triste...já que tinhamos combinado uma viagem pra Estiva/MG pro dia 25.

Foi então que eu liguei pro nosso anfitrião, o SpaceTrader, avisando que o John não tava legal e por conta disso eu também iria "dropar" essa viagem.

Fechamos o acordo de que faríamos essa viagem noutra ocasião...mas isso é outra estória!

Enfim...o que fazer, já que eu já tinha reservado a sexta/sábado pra viajar?
Bom, pensei imediatamente em fazer uma viagem solo, que havia muito tempo que queria fazer: Cotia/Bertioga, via Mogi.

Uma consulta nos e-mails antigos, pra pegar as dicas que o Mestre Waldson me passou em novembro passado, uma ligadinha pro Mr. John pra lhe contar a novidade e pegar dicas e um "gadget" show de bola: Uma caixa de som que parece uma bolsinha de guidão...e eis que quinta-feira à noite, deixo tudo no jeito.


Olha aí a bike, devidamente carregada (a bandeira não pôde ir, pois a Gabi disse que a usaria no jogo do Brasil, que seria no dia seguinte).


















Sexta-feira, acordei as 4 da manhã, mas decidi sair um pouco mais tarde, pois não achei a minha lanterninha dianteira, então saí de casa as 5:30.

Conforme fui instruído pelo João, fiz o percurso pela Raposo Taveres, subindo a Av. Rebouças.

Eis que, ao passar em frente ao Shopping Eldorado, acontece o primeiro de vários "contratempos" que viriam a acontecer: a mochila caiu do bagageiro e eu só percebi quando estava na pra cruzar a Av. Faria Lima.
Nossa...fiquei assustado quando percebi. Eu voltei na contra-mão mesmo e a encontrei "atropelada", jogada no meio-fio.
Mochila recuperada e presa novamente no bagageiro, um "tweet" pra registrar o incidente e vamos seguindo, subindo a Rebouças, descendo a Consolação, pegando a Duque de Caxias e, obviamente parando pra tirar uma foto em frente ao Monumento ao próprio:



















Segui pelas Avenidas Rio Branco, Rudge, Castello Branco e finalmente a Marginal Tietê, até o acesso à Rodovia dos Trabalhadores, onde parei pra uma foto da placa:


















O ritmo estava muito bom, a Marginal estava bem tranquila, diferente do trecho dentro da cidade, mas quando estava passando perto da USP-Leste, outro imprevisto: um dos parafusos do bagageiro, o traseiro direito, se soltou. Fiquei preocupadíssimo, pensando como é que aquilo acontecera...e logo imaginei que foram os "sprints" que precisei dar, que fizeram com que o bagageiro balançasse lateralmente.
Mas o que fazer? Como prosseguir sem um dos parafusos? Matutei por alguns segundos e lembrei-me que havia trazido num saquinho a parte de baixo da minha sapatilha de MTB. É uma chapinha de borracha que fica no lugar dos tacos e é presa por 2 parafusos. Peguei o parafuso e "zap": coloquei no bagageiro. Incrivelmente o parafuso era da mesma bitola.
Pedal pra frente!

Outra paradinha rápida pra uma foto do marco da Rodovia do Trabalhadores:


E adivinhem? Outro parafuso perdido, só que dessa vez, o superior esquerdo. Como já havia feito o uso de um dos parafusos da sapatilha, peguei o outro e mandei bala.
Enquanto estava reapertando os parafusos do bagageiro, aparece um senhor, com uma MTB: O Sr. Marcondes, conhecido (segundo ele) por "Irmão".
Ele vinha do Tucuruví e foi conversando comigo por alguns metros, até o Posto Rodoviário e me deu
duas dicaa importantez: "Tenha paciência e tome cuidado com os ladrões nas imediações"
O engraçado é que ele disse isso, como se soubesse dos percalços que eu passei e passaria durante a viagem.
Ele falou sobre o "modus-operandis" dos eventuais meliantes e como evitar que fosse uma vítima.
Me despedi do "Irmão" e continuei num passo constante até o famoso posto da Ayrton Senna.
Lá, tomei minha primeira refeição do dia: duas empadinhas e um suco de pêssego, tirei uma foto no poste que, imagino eu, seja o poste predileto para encostar bikes.
Todas as fotos de ciclistas que param alí são tiradas naquele poste...


















Baterias recarregadas, hora de seguir em frente.

Notei que o meu ritmo deu uma caída, mas nada muito forte...vamos controlando pra não acabar a pilha antes do tempo.
Ganhei forças quando vi essa placa:



















Segui esses 2km, já imaginando que provavelmente pararia na cidade, assistira o jogo, pois notei que o tempo estava à meu favor.
Entrei na Rodovia Prof. Alfredo Rolim de Moura e segui girando bem...o tempo que estava cinzendo até aquele momento, tornou-se azul.


















E eu que seguia de corta-vento até esse momento...


















...percebi que era hora de guardá-lo!




































Durante o pedal, vi até umas vaquinhas...

Segui até o acesso ao melhor caminho "segundo as placas" para Bertioga, não passando pelo centro, mas pegando um acesso à direita (Estrada Suzuki). Infelizmente não tirei foto do acesso, chegando à um Posto BR, onde parei alguns minutos antes do Jogo do Brasil x Portugal (que foi um fiasco, diga-se de passagem).
A parada foi ótima, pois assisti ao jogo, descansei e reabasteci as energias, pois haveriam mais 58km pra rodar.

Assim que o jogo acabou, voltei pra estrada, mas logo que alcancei a Rodovia Dom. Paulo Rolim Loureiro, tive um pneu furado.
Quando comecei a trocar a câmara, o John me ligou, com quem falei rapidamente.
Enquanto estava parado, fazendo a troca, passaram 2 ciclistas locais, que perguntaram se estava tudo bem, e logo depois um senhorzinho, que ficou comigo lá até que eu terminasse a troca. Durante o processo, descobri que minha bomba de ar estava avariada.
Esse senhor me indicou uma borracharia há uns 500mts, então voltei empurrando a bike até a lá, onde fui prontamente ajudado pelo pessoal da borracharia.

Pneu cheio, segui viagem e fiquei muito feliz pelo furo que tive: Havia acabado de ocorrer um acidente entre dois caminhões e um deles estava capotado. Eu até pensei em parar pra tirar uma foto, mas achei meio "sem propósito". Resolvi agradecer a Deus pelo furo no pneu, desejar que ninguém tivesse se ferido gravemente e segui viagem.

Segui mantendo um ritmo tranquilo, já que a paisagem estava ficando cada vez mais bonita.
Pouco antes de chegar a descida da serra, vi uma bicicletaria, onde parei pra comprar uma bomba de ar nova.

Uns 10km depois dessa parada, eis que surge a seguinte placa:


















Que alegria foi ver essa placa.
A descida da serra foi maravilhosa! A paisagem é muito bonita, mas não dá pra parar muito. Pra aproveitar de verdade a beleza da serra, só descendo à pé!
Mas eu não resisti e tirei algumas fotos:









































































Realmente fiquei impressionado com a beleza da serra, mas tinha de seguir viagem, não é mesmo?

Segue-se um retão interminável, um falso plano na verdade, onde deu pra aumentar o ritmo até que alcanço a Rodovia Dr. Manoel Hyppolito Rego.

Mais 10km de Rodovia e chego ao centro da Cidade de Bertioga.
Me senti extremamente feliz em estar alí, tendo cumprido a meta dentro da minha estimativa de horário, sem me desgastar em excesso...

Quando cheguei à Enseada, fiz questão de parar e tirar uma foto da bike de frente pro mar!


















Nesse ponto, já tinha minha missão cumprida, então desliguei o SportsTracker (que gravou o percurso).
Agora era hora de achar o Camping que o Waldson me indicou.
Peguei o Google Maps/GPS do telefone, coloquei o endereço e "zap": estava pertinho...coisa de 1km!

Cheguei no Camping e fui atendido pela Senhorinha que o Waldson já tinha alertado que possuia um peculiar "mau humor".
Paguei a estadia de R$ 50,00 e peguei a chave da minha cabana. A Senhorinha disse que ela se chamava "Atchim", mas eu confesso que só entendi quando cheguei na porta:



















É pequena, não muito confortável, mas era só pra dormir mesmo! hehehe!


















Parece uma casinha de cachorro, não, hehehe! Mas não é de toda ruim...tem tomadas 220v, que foram muito úteis para carregar os telefones.

Hora de tomar banho e fazer uma volta de reconhecimento (dessa vez a pé).
Fui ao mercado, comprei umas coisinhas, depois fui dar uma volta à beira-mar.
Apesar da câmera do celular não ajudar tirei umas fotos bonitas da noite caindo...




































Depois do passeio, voltei pra barraca, tirei um sono, que confesso foi difícil por conta dos pernilongos e a largura da "cama".

No dia seguinte, acordei cedo, peguei a bike e fui até a balsa pra comprar minha passagem e tirei umas fotos de algumas embarcações...




































...e voltei pedalando pela areia, curtindo o visual que, apesar de estar meio cinzendo, estava muito bom!



















Voltei pra barraca, fui tomar meu merecido banho de mar! Fiquei um tempão curtindo a agua do mar...tranquilo, depois dei uma boa caminhada.
Voltei pro Camping, almocei, tirei uma boa soneca e fui pegar meu ônibus pra SP, que sairia as 16:40.

Olha aí eu na frente da agencia da Viação Litorânea:


















A bike no jeito...


















E o busão chega pra nos levar!


















Bike no bagageiro, entrei no bus, já cheio de vontades de voltar!

Chegando no Terminal Tietê, peguei a magrela do busão, entrei no Metrô que fiz uso pela primeira vez com a bike.

Até tirei uma foto do local onde é permitido embarcar c/ a bike nos sábados (depois das 14hrs) e domingos o dia inteiro.


















Da estação Tietê até a Sé, depois até a Barra-Funda e finalmente no Trem até Itapevi.

De Itapevi, coloquei a roupa de ciclismo e fiz o percurso de Itapevi até a minha casa, onde cheguei às 21:10 +/-.

Um passeio que valeu muito!!! Curti demais viajar sozinho, pois pra mim foi como um "retiro", onde você pode meditar, conversar consigo e recarregar as baterias.

Obrigado aos amigos Waldson e João, que me deram várias dicas e muita força pra fazer esse pedal e especialmente ao Altíssimo, que esteve comigo durante todo o percurso, suprindo minhas necessidades, me indicando o caminho e me trazendo tranquilidade!

No final:

Distancia: 159km
Ride Time: 6:34:20
Trip time: 10hrs (contando com a parada de 2hrs pra assistir o jogo)
Vel. Média: 24,2km/h
Vel. Maxima: 62,3km/h
Baixas: Dois parafusos do bagageiro e uma câmara de ar;

Pra quem quiser pegar o mapa:
http://www.sports-tracker.com/#/workout/fabiotux/36o1lj4avenqtqoo

Abração!!!

3 comentários:

Ricardo Freitas disse...

Bom... Primeiro desconsidere meu tweet a respeito de nao ter lido nada a respeito do seu pedal onnly one! hehehe!
Show Fabio! Gostei muito! Simplesmente inspirador esse pedal e relato! Obrigado por compartilhar!

Abracao cara!

Tony Carlos disse...

Beleza de viagem,cara não sabia que dava para acessar Cotia via Itapevi (uma boa dica por sinal).
Meu,carinho a beça aquela "dog house',principalmente pela falta de energia,sorte que não estragou sua viagem.Tambem gostei muito!

Abs!
Carlos sp

Waldson Gutierres (Antigão) disse...

Parabéns, meu amigo!
A minha opinião você já sabe!

Grande abraço e que venham outras!!!