quarta-feira, 15 de setembro de 2010

São Paulo - Campos - São Paulo: Primeiro Dia

Já tem algum tempo que eu pensei em fazer uma viagem assim: Ir pra Campos do Jordão de Bike. Desde que comecei a participar do Desafio Serra de Campos da VO2, ficava imaginando o quão interessante poderia ser deslizar naquele asfalto em uma boa velocidade...

Pois não é que essa idéia era compartilhada por meus amigos de Pedal? Não tenho plena certeza, mas acho que foi Einstein (sim...tenho um amigo Físico que se chama Einstein e não adianta dizer que eu falo c/ Mortos) que teve a idéia e começou a chamar a galerinha.

Depois de vários dias de trocas de e-mails e eventuais comentários entre nossas conversas presenciais, fechamos a turma e a data: Seria no feriadão prolongado de 7 de setembro e teria como participantes o Einstein, Elcio, Maya e esse que vos escreve, com o apoio logístico de Carla, noiva de Einstein, que levaria nossa bagagem.



















Saímos da casa do Einstein bem atrasados. Era pra estarmos na casa do Elcio às 7 da manhã, mas só chegamos lá 8:30. A casa do Elcio fica num ponto estratégico, permitindo que pegássemos a Rod. Ayrton Senna sem pegar (muito) transito e nos cortaria um baita caminho.

Mesmo atrasados, arrumamos o restante das tralhas, enchemos nossas caramanholas e zarpamos por volta das 9:20.

Um pouco de trabalho pra sair da cidade, pois o horário não estava muito favorável, logo alcançamos a Rod. Ayrton Senna, Km 36.
Tiramos essa foto e a partir daí começou nosso Ciclotour de verdade.



















A viagem não se mostrou muito fácil. Com 20km rodados +/-, o Elcio teve um pneu furado. Fiquei com ele fazendo a troca da câmara, enquanto Maya saiu na frente para não esfriar, mas logo que voltamos ao pedal, alcançamos ela e o Einstein com o mesmo problema. 
Feito o reparo no pneu do Cientista, continuamos.

Um pouco depois da entrada de Mogi das Cruzes, outra baixa: a caramanhola do Elcio "pulou" do suporte e foi atropelada por um caminhão. Maya e eu, vimos a cena, foi até engraçada, pois a caramanhola subiu alguns metros ao ser atropelada, passando bem perto da cabeça da Maya.

O mais engraçado ainda foi que notamos que o Elcio nem deu por falta da caramanhola...tivemos que ir até ele para lhe chamar a atenção para a sua perda.

O Sol e a baixa umidade do ar foi aos poucos minando nossa força. Isso foi tirando um pouco da nossa velocidade e nos deixando preocupados com a chegada. 
Além desse problema com a temperatura, o Elcio (que estava sem treino havia pelo menos uns 45 dias) começou a se sentir quebrado. 
Einstein e eu, que estavamos um pouco melhor iamos revezando a companhia para os que ficavam para tras. 

Houve um momento em que demos uma vacilada e Einstein e Maya sumiram na dianteira e Elcio e eu ficamos pra tras, pouco antes de chegamos ao Frango Assado (que marca aproximadamente a metade do caminho).

Quando Elcio e eu chegamos à entrada do Frango Assado, ficamos em dúvida se eles estariam lá, então decidimos seguir, já que não conseguimos ligar para seus celulares.
Alguns minutos depois, eles nos ligam dizendo que estavam à nossa espera por lá. 

Resolvemos seguir, em ritmo moderado, para que Einstein e Maya nos alcançassem. Chegamos um local com uma pista auxiliar e os esperamos, pois o Elcio estava realmente cansadão.

Logo eles chegaram e nos encontraram trocando mais uma câmara do Elcio. 
Olha aí o estado do cidadão:


















Einstein se "lambuzando" com o protetor solar:


















Maya batendo um papo, sem perceber que estava sendo focalizada pela câmera indiscreta:

















Seguimos viagem, mas dessa fez mais próximos uns dos outros. Continuamos no esquema 2x2, mas sempre cuidando para não nos distanciarmos muito.

Teve um momento em que Einstein e eu demos uma esticadinha e aguardamos Elcio e Maya debaixo de uma das poucas sombras que encontramos durante a viagem.

Obviamente, não deu outra: paradinha pra diminuir a temperatura:


















Bastante castigados pela fome, assim que entramos na Rod. Floriano Rodrigues Pinheiro, procuramos logo um lugar pra almoçar (as 15hrs +/-).
A idéia era irmos até o Castelão, mas encontramos uma "birosca" de tijolo à vista e esculturas em barro e foi nessa mesmo que entramos.
Começamos com o básico: coxinha e coca-cola, mas o Elcio, entorpecido pelo aroma da comida logo se decidiu: "Quero almoçar!!!"

O tiozinho do lugar, um figuraça começou a preparar um "pratinho" pro rapaz. 
Veio arroz, feijão, filé de frango, bife acebolado...e pra terminar um par de ovos fritos.

Imagina se o rapaz não ficou contente?



















Enquanto ele comia, a gente se divertia vendo ele comer: 


















Descançados, porém preocupados, saímos dessa birosca e pegamos a estrada, sabendo que a a partir daquele ponto, as coisas começariam a complicar: Eram mais de 16hrs, tinhamos 20km de Serra e estavamos apenas com 1 lanterna na bike do Einstein.

Seguimos até os pés da Serra e começamos a nos separar...Elcio e Einstein foram na frente, enquanto Maya e eu fomos no ritmo dela. Iamos galgando, pouco a pouco, cada mudança de inclinação, eventualmente parando um pouco pra tomar fôlego. 
Depois de algum tempo, Einstein e Maya subiram e eu fiquei c/ o Elcio, bastante cansado, sentindo cãibras por conta da falta de treino.
Já escuro, chegamos à ponte que dá acesso a Santo Antônio do Pinhal. Carla, nosso apoio logístico acabou que virou apoio ciclístico também: colocamos a bike do Elcio no carro e eu peguei uma lanterna com ela, deixei minha bolsa de guidão (pra poder fixar a lanterna adequadamente) e segui sozinho alguns 3km até que nos encontramos num ponto da ladeira, conferenciamos rapidamente e seguimos, agora com a Carla dando-nos iluminação.

Einstein e eu, fomos acometidos por um ataque de bobice e começamos a fazer graça, cantando modas antigas, enquanto Maya ria e fazia força pra subir.
Foi muito engraçada essa parte, pois nós estavamos cansados, mas ainda tinha força pra ficar cantando e rindo...

Quase chegando ao topo, nossos amigos de Hostel (sim...a bagunça teria mais participantes: A Família Cunha) passaram pela gente e também foram fazendo iluminação na Serra.

Ao chegarmos ao Portal da Cidade de Campos do Jordão, a emoção foi grande. Começou um buzinaço dos dois carros e nós gritamos alto "Vencemos p#$%#", e outras coisas que só quem vence um grande desafio sabe o significado.

Taí Maya e eu, comemorando a vitória.



















Mais a frente, o Einstein também comemorando:


















Olha, estávamos todos sem óculos e o ar da noite estava frio, mas arrisco dizer que Maya vertia lágrimas, não pelo ar entrando nos olhos, mas de emoção, pois aquele era seu primeiro ciclotour e um dos mais duros percursos de subida que já fizera.
Realmente foi muito emocionante.

Chegamos na porta do Hostel, com a Família Cunha, Elcio e Carlinha à postos pra nos receber e nos cumprimentar:


















Tiramos aquela famosa foto em que erguemos as bikes, em sinal de vitória:


















Cumprimentamos nosso caríssimo amigo Elcio, que mesmo não tento terminado o ultimo trecho, foi muito guerreiro e foi até onde seu corpo lhe permitiu:


















E caímos pra dentro do Hostel, onde depois de uma pequena confusão com quartos que ocuparíamos, conseguimos nos estabelecer e relaxar. 
Fotinho da Trupe toda:


















Outra:


















E finalmente começamos a Jantar!!!

Para o Jantar, contávamos com 2 frangos assados e uma lasanha, preparados pela irmão de Carla, além de um Capeletti feito pela Eda.

Estávamos tão famintos que não tiramos fotos, hehehe!
Depois disso, foram algumas horas de papos, arrumação dos quartos e finalmente, CAMA!

O saldo do dia foi:
Km pedalados: 158km
Baixas: Elcio no carro de apoio à 12km da meta, 2 furos/3 câmaras de ar e uma caramanhola
Tempo de viagem: 12hrs
Tempo de pedal: não salvei...foi mal! hehehehe!

Valews, Galera! Foi excepcional essa primeira parte. Ainda tem mais 3: O Treino de Montanha, o City Tour e o Retorno pra Casa.
Aguardem!!!


4 comentários:

Paulistana disse...

Ai que inferno!! Tinha escrito um mega texto e o blog deu pau! Humpf! Vamos de novo!!!

Esse ciclotour foi fantástico! Foi uma superação de limites a cada Km... O sol castigando, a longa distância, o longo trecho de serra após os 138K já rodados! Cada dificuldade que encontramos enfrentamos juntos e com muito bom humor! Alguém que nunca tenha feito um ciclotour não conseguirá imaginar o pq nós doidos resolvemos fazer esse trecho longo e cansativo.. Pq resolvemos nos matar subindo aquela serra... Mas como novata eu posso dizer que existem poucos prazeres como o que tive ao terminar essa viagem ao lado de vocês!
Chorei de emoção mesmo! Gritei pra c@r@lh*, mas a foto em que apareço estou comportada! rsrsrs
Como eu já disse muitas vezes antes... MUITO OBRIGADA A TODOS!!! Vocês foram essenciais para que eu superasse mais esse desafio!!

Agora é marcar a próxima enquanto minhas pernas ainda estão aquecidas pela subida de Serra de Campos!

Mil beijokas!!!

Rafael Souza disse...

E aí Tux, parabéns pela Odisséia, e acho muito legal essa dedicação que vc deu pras bikes, to acompanhando essa sua carreira pelo "BUZZ", kkkkk

Abraços.

Waldson Gutierres (Antigão) disse...

Fala Fabião & cia! Parabéns por esse belo ciclotur, principalmente por vencerem a serra de Campos, que eu tenho dificuldade em vencer de carro 1000!
Muito bom, mesmo!

Sou seu fã!

Grande abraço e muita PAZ a todos!

FabioTux® disse...

Poxa, Maya...acabei esquecendo de citar o causo do "segua pra mim, por favor". O Einstein acabou lembrando disso no fórum...só faltou uma foto pra ilustrar.
Ah EU SABIA QUE VOCÊ HAVIA CHORADO DE EMOÇÃO!!!
Afinal de contas, rolei os dados e fui bem-sucedido no meu "Active Perception"! hahahah!

Valeu Rafa por acompanhar a saga ciclística desse que vos escreve!
Só falta voce se render às bikes também!

Antigão, Eu é que sou seu fã e discípulo! O que seria de nós, cicloturistas se não fosse a inspiração que você é pra gente?
Eu e um bocado de gente se espelha no teu exemplo e te admira paracarvalho!
Saudades de pedalar contigo, meu nobre!
Forte abraço!